segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

A ARTE DA ESCOLHA


Drummond, Gullar ou Vinícius?! Eis a questão.


Antes era uma certeza: Drummond e Vinícius. Depois virou uma dúvida: Drummond e Vinícius? Depois a casa caiu e aí, já viu... não sabemos mais o que será. Tem gente que quer só Drummond (eu mesma acho que Drummond merece um recital só dele). Tem gente que quer só Vinícius. E tem gente (eu principalmente) que quer só Ferreira Gullar. Acho que temos aproveitar pra homenagear os nossos grandes poetas, e de preferência enquanto vivos!

E, além dos 3, aparecem outros poetas para dificultar ainda mais as coisas: Antônio Cícero, Elisa Lucinda... São muitas as opções! Antes de decidir, é preciso recomeçar os trabalhos! Talvez comecemos amanhã... reuniões e mais reuniões... Falar poesia não é fácil não, viu? É uma arte... que nem escolher! Mas, mesmo sendo difíceis as duas, a gente A-DO-RA!

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

O ser humano precisa de poesia

O SER HUMANO PRECISA DE POESIA
Por Antônio Hohlfeldt

O Brasil deve ser, provavelmente, o país com o maior número de poetas por metro quadrado! Em compensação, o país deve possuir o menor percentual por quilômetro quadrado de leitores de poesia. Essa é uma equação difícil de explicar. Como uma sociedade que possui tantos poetas, ao mesmo tempo, lê tão pouco a poesia?

Culpa da escola? Quando crianças, aprendemos sociabilidade através da poesia: nossas cantigas de roda são versos de seis ou sete sílabas poéticas, em geral, que facilitam a memorização. A tradição ibérica é do poema de seis ou sete versos que são decorados. Crianças, gostamos de poesia...

Então chegamos à escola. Parece que, na escola, a poesia é matéria de segunda qualidade. Os programas oficiais falam pouco de poesia. Os professores parecem que têm medo da poesia. E, aos poucos, as crianças vão esquecendo a poesia. Vão desconhecendo a forma do poema. Na adolescência, tem-se uma recaída (quase sempre fora da escola). A primeira paixão nos impele à produção de poemas para nossas primeiras namoradas. O Mario Quintana dedicou vários poemas às suas diferentes primeiras namoradas. Felizmente, para nós, depois das paixonites, ele continuou poeta. Mas a maioria, depois, desiste. E, adultos, afastamo-nos totalmente da poesia. Por quê?

Os idiomas ocidentais mais antigos, como o grego e o latim, possuíam sílabas longas e breves, que identificavam fortemente o ritmo da fala e pareciam música. Tanto que, equivocadamente, na Renascença, os estudiosos do teatro grego entenderam que os antigos habitantes da Hélade falavam cantandoe inventaram a ópera!

Por que, então, de modo geral, voltamos as costas para a poesia?

Meu palpite é que temos medo da introspecção que a poesia propõe e exige. O brasileiro gosta de falar alto, expandir-se, de brincar, de ser inconseqüente. A verdadeira poesia não gosta disso. Ela exige o silêncio, o encontro do leitor consigo mesmo, quase que de olhos fechados, como que guiado pela sonoridade e ritmo das palavras e dos versos.

Não consigo dormir, a cada dia, sem ler ao menos um poema. É aquele momento em que, depois da azáfama do dia, quebro o ritmo trepidante e me encontro comigo mesmo. A poesia alimenta a alma. A poesia reequilibra. Você, leitor, não quer experimentar?


Revista Florense – PRIMAVERA 2007_ANO 4_N° 15
Seção: Equilíbrio (pág. 106)

terça-feira, 25 de novembro de 2008

BIS!

Depois do sucesso das apresentações no TRT e na Unime, estaremos de volta à Saraiva Mega Store, no domingo, dia 30/11, às 19h!
IMPERDÍVEL!


segunda-feira, 10 de novembro de 2008

A poesia quando chega... no TRT!


O projeto Quinta tem Palco, do TRT Cultural, irá apresentar pela primeira vez um recital de poesia, e já começa em grande estilo: a obra de Fernando Pessoa e seus heterônimos Álvaro de Campos, Ricardo Reis e Alberto Caeiro será declamada pelo grupo A Poesia Quando Chega - Dizedores de Versos, no próximo dia 13 de novembro, às 17h30. Também pela primeira vez o projeto realiza uma programação na Escola Judicial – os seus eventos aconteciam sempre no fórum do Comércio.

O grupo de Dizedores conta com a participação dos servidores Flávia Cortes Silva, da 3ª Vara de Camaçari e Joel Leal, da 2ª de Salvador, e é composto por integrantes da Escola Lucinda de Poesia Viva, com sede no Rio de Janeiro. A proposta é emocionar o público com a interpretação de vários poemas marcantes como Poema Em linha reta, Se te queres matar e O guardador de rebanhos.

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

TUDO VALE A PENA SE A ALMA NÃO É PEQUENA!

Finalmente aconteceu nosso recital de Fernando Pessoa... e as impressões que o mestre Pessoa deixou em cada um de nós foram as melhores!!! Sendo assim, acho que nada melhor para traduzir esses sentimentos que trazer os nossos depoimentos (deixados na nossa lista de e-mails) aqui para o blog. Aí vão eles!


BOM DIAAAAAAAAA!
ESTOU EM ÊXTASE POR CONTA DE NOSSA ESTRÉIA...

O RECITAL DE FERNANDO PESSOA FOI MARAVILHOSO!!!

QUE VENHAM AS PRÓXIMAS APRESENTAÇÕES!!!

BEIJINHOS,

FLAVINHA


Bom dia!!

Já boa tarde,mas, ainda não tarde demais!!!

O recital foi mesmo muito belo e o clima emocional chegou lá em cima. É isso aí: poesia com sentimento fazendo brotar uma atmosfera. Esse é o poeta que fomos representar e demos muito de nós!gostei da experiência de construir e apresentar o recital (claro que como sou cri-cri, sempre acho que pode melhorar). Foi foooorrrrteeee!!

beijos




Acho que todos nós, os comentários têem sido os melhores.

Beijos!!!

Pedro


Oi queridos,

Tô com saudade de vocês! O convívio foi tão intenso e bom nos últimos tempos que eu tô sentindo falta. Depois que cheguei em casa domingo as fichas começaram a cair aos poucos, e fui me dando conta da beleza desse recital, e do quanto nós crescemos em tudo!! O melhor foi a paz e a tranqüilidade que eu senti em relação a gente, a nossa permanência e a continuidade do nosso trabalho.Muitos beijos em todos!!

Pati


Gente!!!!

como me dei folga dos emails ontem, rs, estou hoje aqui pra dizer que AMEI NOSSO RECITAL!!!!

Acho que crescemos não só como dizedores de versos, mas como Pessoas, rs!

A idéia de Fernando transformando pessoas é legítima, me senti transformada e mais amadurecida depois do processo desse último recital!

E o nosso recital apresentou bem esse crescimento e amadurecimento de todos!Estou muitíssimo feliz com o resultado!!!!Também adorei o convívio intenso nos últimos dias!

Bjos!!!




Eu tb estou muito orgulhosa.

Considero esse último recital do Pessoa a minha volta oficial ao grupo pq participei de todo o processo criativo.

Se por um lado, houve ausências sentidas, por outro houve presenças com todo sentimento.

Aprendemos com o poeta que "Quem quer passar além do Bojador, Tem que passar além da dor".

Cada um colocou um pouco da própria alma no seu poema e no poema do outro.

Claro que sempre há o que melhorar, mas já temos uma base de luxo para trabalharmos em cima.

Que venham os próximos!

Bjks

Manuella

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Lá vem Fernando... em Pessoa(s)

Ontem estivemos na Casa Cor Bahia 2008.

O espaço da loja de livros, Galeria do Livro, nos acolheu mais uma vez... Aí, em troca, retribuímos com muita poesia! As cores de todas as imagens que vieram à tona com os poemas misturou-se com todas as cores da Casa Cor... foi mágico!

Agora todas as energias se voltam para Fernando Pessoa, suas pessoas e nossas pessoas. Com ensaios desde julho e, intensificados a partir do último workshop com a Escola Lucinda, em setembro, a atmosfera dos versos dos 'eus' de Pessoa de fato nos envolveu. Eram poemas que antes a gente nem gostava muito (até pela dificuldade de compreender o que estava sendo propriamente dito) e que hoje amamos. Todas as nuances dos heterônimos são trazidas à superfície e as sutilezas da alma desse poeta, agora um pouco mais compreensível, nos encantam.

O estudo da obra poética do Fernando Pessoa é provocante, inspirador e transformador! Não é à tôa que todos os núcleos da Escola Lucinda de Poesia Viva estão comemorando os 120 anos de nascimento do poeta, apresentando o recital: "Fernando transformando Pessoa(s)". Una-se a nós nesta celebração!

Esperamos por você no dia 26/10 (próximo domingo),
às 19h, na Livraria Saraiva (L2, Salvador Shopping),
para o recital desse grande poeta!